Tentei gostar de Rogue One: A Star Wars Story, mas não deu.

Novamente eu vou no sentido oposto da maioria. E é bom lembrar que eu considero que perdi meu tempo e dinheiro com The Force Awakens

A idéia geral é interessante e podia ter dado um filme realmente bom, mas o que vi tem tantos problemas de roteiro, elenco e direção que não deu mesmo.

O que gostei de ver:

  • O robô K-2SO;
  • O “jedi” e seu companheiro;
  • O filme consegue dar uma explicação convincente para a estrela da morte ter uma vulnerabilidade ridícula que foi motivo de piada por décadas. Pena que terão que fazer outro filme inteiro só para explicar (mal) os problemas deste;

Pelos pontos acima já consegue ser melhor do que The Force Awakens.

O que me incomodou:

  • Felicity Jones não me convenceu como mulher durona;
  • Ignorando a atriz, o personagem dela precisava de muito mais desenvolvimento para me convencer;
  • Ora, de um modo geral não há desenvolvimento de personagens no filme;
  • Um exemplo de quando tentaram desenvolver um personagem e  deu errado é que gostaria de que o roteirista tivesse encontrado um jeito melhor de demonstrar que o capitão Cassian era durão e comprometido com a causa do que ver ele matar um informante (aliado!) indefeso a queima roupa;
  • Não há explicação para Jyn estar sendo transferida da prisão;
  • Não é dada explicação para Jyn ter agredido quem estava tentando resgatá-la. A idéia é estúpida por mais de uma razão. Ela não esperou para ver o que a esperava do lado de fora do blindado, não pegou uma arma antes de correr…
  • Iniciando no exemplo acima, logo no início do filme Jyn é apresentada como um animal raivoso para logo em seguida tentarem nos convencer de que ela é racional e ao longo do filme de que é praticamente uma líder militar, com discurso e tudo!
  • Um robô numa missão de resgate não precisa ser tão violento com o resgatado, mesmo quando este não coopera. Como regra geral nesses casos usa-se força excessiva quando você não sabe que força é o suficiente. Um robô como K-2SO sabe. Seria convincente um homem ter feito aquilo mas no caso de uma diferença tão grande quanto entre um robô como K-2SO e uma garota desarmada? Quando K-2SO jogou Jyn no chão eu pensei “caramba, não bastava continuar segurando ela no ar pela gola da camisa?”;
  • A razão dada por Saw para ter abandonado Jyn não me convenceu. O que ele fez com ela (abandoná-la dizendo “espere por mim que eu volto”, sem ter intenção de voltar) não se faz nem com um cachorro;
  • Eu não estava entendendo por que aquele comandante do império que esculachava o diretor Krennic era exibido tão proeminentemente na tela e parecia tão “esquisito”. Desde a primeira cena me pareceu que o diretor do filme queria mostrar alguma coisa e fui até o final com uma pulga atrás da orelha sem saber o que era, até pesquisar e descobrir que o diretor queria exibir a capacidade da equipe de efeitos especiais de recriar um (outro) veterano de Star Wars morto. Aquela era a versão digital de Peter Cushing, o último ator a representar o Grand Moff Tarkin. Eu imagino que os fãs viram a cena e bateram palmas mas eu não sou fã e fiquei me perguntando porque um personagem secundário (talvez nem isso) estava tendo tanta atenção;
  • A rapidez com que Jyn perdoou a aliança rebelde pela morte de seu pai foi brochante decepcionante. Eu entendo que havia uma questão mais importante a ser resolvida, mas ver ela agir logo na cena seguinte como se nada tivesse acontecido…
  • A coincidência da equipe de inspeção contar com uma pessoa que vestia justamente o número de Jyn foi um momento facepalm muito grande. Isso era tão evidente que quando a equipe entrou eu pensei: essa figura de preto tem o tamanho e se move como uma mulher…
  • Como é que ninguém além de um jedi cego enxerga aqueles tanques de quatro patas (walkers) chegando?
  • A sala do arquivo é protegida por uma porta de cofre impenetrável, mas no andar de cima tem uma porta comum que também dá acesso;
  • Parte dos rebeldes, incluindo o piloto, morreu para (veja se você consegue acompanhar) estabelecer uma comunicação com a frota que dizia que a frota precisava destruir o escudo do planeta para que eles estabelecessem a comunicação com a frota;
  • Quando as naves da aliança aparecem ao alcance de uma pedrada qual é a primeira coisa que o comandante do destróier imperial faz? Eu escreveria “atirem! ATIREM!”, mas o que o roteirista do script de um milhão de dólares escreveu? “Entre em contato com o almirante Gorin imediatamente!”. E em várias cenas seguintes nós vemos os dois destróieres sem fazer um disparo sequer;
  • Se eu tivesse gostado do filme eu poderia ignorar e até dar risada da lendária má pontaria dos stormtroopers mas… eu não gostei;
  • Se eu tivesse gostado do filme poderia muito bem ignorar os problemas de física como um nave pequena como a Hammerhead Corvette ter empuxo suficiente para fazer um destróier imperial destruir outro numa distância tão pequena. Acho que por um estar “embaixo” do outro (não existe isso no espaço) a audiência deve imaginar que um destróier”caiu” no outro, E depois os dois “caem” convenientemente  no campo de força. Mas eu não gostei do filme então não dá para deixar isso passar;
  • O destróier de Darth Vader está parado do lado da nave-mãe da aliança rebelde, mas mesmo assim a princesa foge debaixo do nariz (literalmente?) de Vader. E devagarinho. O roteirista sequer tentou enrolar a audiência com um salto no hiperespaço;
  • Eu não estou certo de que a presença da princesa naquela batalha seja justificável. Quanto mais eu penso nisso mais acho ridículo;
  • O filme parece uma paródia tamanho o excesso de complicações e armadilhas absurdas e desnecessárias no roteiro, como:
    • A necessidade de remover a fita do arquivo manualmente quando sua posição podia ser determinada automaticamente. E num mundo onde robôs andam e falam como humanos;
    • A armadilha no topo da sala do arquivo. Quando eu vi essa eu juro que me perguntei se o roteirista não estava fazendo uma paródia da paródia de Star Trek Galaxy Quest;
    • A necessidade de alinhar a antena manualmente.

E olha que eu não estou sendo minucioso. Isso foi o que me incomodou enquanto eu assistia ao filme.  Se eu der uma segunda passada realmente querendo ser chato devo poder captar muitos outros problemas.

 

 

4 comentários
  • Eduardo

    Os minutos finais com Darth Fucking Vader indo pro pau foi melhor que o prequel inteiro. Adorei o filme, ignorei alguns pequenos vacilos e me diverti muito.
    Superior ao ep VII sem dúvidas.

  • Paulo Bonfim

    Jefferson,

    de forma geral gostei do filme, mas algumas inconsistências que você apontou foram as extensas refilmagens e cortes no filme para adequá-lo ao padrão Star Wars (Disney) e o famigerado PG-13. Prometeram um filme de guerra, mas entregaram filme pobre de ação e só.

    • Sim, vários problemas podem ser eliminados simplesmente criando uma “versão estendida”. Buracos como a razão para Jyn estar sendo transferida podem ser tapados em pelo menos dez segundos de diálogo. Bastaria terem dito a Jyn “como foi difícil introduzir a ordem falsa de transferência dela no sistema da prisão” ou algo assim. Eu teria ficado satisfeito.

      Mas para outras coisas teriam que criar “uma versão alternativa”, deletando e inserindo cenas.

  • Rodrigo Motta

    Os roteiristas tratam a gente como retardado há tempos.
    Espero nunca me acostumar com isso.
    mas o filme foi bem melhor que o force awakens.
    E muito melhor que os da nova trilogia (1,2,3).
    Por isso gostei do rogue one


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Às vezes a Google me assusta

Esta semana eu vendi um objeto no Mercado Livre e combinei a entrega em um lugar próximo, dando meu número pessoal ao comprador para que ele ligasse ao chegar. Como ele não informou nenhum número e uso Android, eu peguei o número de celular informado pelo Mercado Livre, criei um novo contato na minha conta Google e adicionei o número. Antes que eu pudesse dar o OK para salvar o contato, a Google exibiu nome da empresa onde ele trabalha, endereço e até se prontificou para mostrar no mapa.

Eu imagino que isso ocorreu porque apesar de ser um celular o número está cadastrado no Google Maps como o número de um estabelecimento comercial, mas ainda assim… Imagine que esse comprador não quisesse que eu soubesse nada disso?

Aí eu contei isso para o amigo José Carneiro que respondeu algo do tipo “Você não viu nada. Imagine conversar algo perto do celular e depois ao abrir o navegador no telefone encontrar um anúncio daquilo que você estava conversando”.

Acho que ele queria me aterrorizar… :)

 

 

 

1 comentário
  • Moises Fontana

    É, eu já tomei alguns sustos com o Google também. A primeira vez que ele me pediu opinião e avaliação de alguns lugares que eu nem lembrava que tinha ido fiquei pensativo. Ultimamente já me acostumei e nem ligo mais.

    Infelizmente a tecnologia está evoluindo para um lado assustador pra quem se preocupa com privacidade como eu me preocupo. Tá meio complicado.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Fantastic Beasts and Where to Find Them (2016) é inacreditável.

Sim, é inacreditável que J.K. Rowling, que admiro por ter escrito o intrincado mundo de Harry Potter e sua espantosamente bem amarrada saga de três mil páginas (quatro mil na edição britânica), possa ter escrito algo tão “sem pé nem cabeça” quanto o roteiro de Animais Fantásticos e Onde Habitam.

Por onde começar?

Logo nos primeiros minutos eu fiquei incomodado com o filme por parecer excessivamente tolo mas dei uma pausa, fui tomar um café, respirei fundo e continuei. Parou de parecer excessivamente tolo alguns minutos depois para parecer apenas tolo.

Temos uma presidente da nação mágica dos Estados Unidos que se comporta como Trump de forma a ser indigna do cargo. Depois de, com testemunhas, se recusar a ouvir o alerta de uma ex-auror (ainda se fosse ex-contadora, ex-escriturária, ex-faxineira, mas uma ex-auror!), quando a me**da atinge o ventilador, ela sentencia essa mesma ex-auror à prisão por  não ter dado o alerta? Diante de todo o congresso bruxo? Uma mulher está na presidência mas o mundo bruxo ainda está na idade média? Naquele momento ela pareceu mais a Rainha de Copas de Alice no País das Maravilhas com sua famosa frase “cortem suas cabeças!” do que a líder de uma nação democrática.

Uma ex-auror e o irmão de um herói de guerra são sentenciados à morte minutos depois por um tribunal de um só homem?

Newt Scamander, que não é apresentado nem nos livros nem no filme como um bruxo especialmente capaz ou brilhante, resiste sem grande dificuldade a um dos bruxos mais poderosos da história (o mais poderoso da época) [1], que não tem dificuldade alguma para duelar com dezenas de aurores no final? E quanto a Tina? Ainda que Graves quisesse continuar fingindo ser “do bem” ele tinha uma desculpa perfeita para matá-la: ele já a havia oficialmente condenado à morte e ela era uma fugitiva da sentença. Mas misteriosamente Tina sobreviveu ao duelo. E Graves pareceu não poder vencê-la.

E eu prefiro nem perder tempo com os detalhes menores. O filme todo parece uma grande desculpa para o departamento de efeitos especiais de um estúdio qualquer se exibir. E ainda assim os efeitos não são grande coisa.

E para completar, não consegui simpatizar com o personagem principal e sua mistura de tímido, anti-social e retardado. Talvez o resultado de uma boa atuação de Eddie Redmayne, porque seu personagem afirma mesmo ser “difícil de aturar”:

Kowalski:
Bem, estou certo de que as pessoas gostam de você também, hã?

Scamander:
Não realmente, não. Eu irrito as pessoas.

E a atriz que fez Tina também não me convenceu. Só se salva mesmo a Queenie (Alison Sudol). Realmente dá para entender por que os homens ficam sem fôlego perto dela.

Mas eu certamente estou em minoria, pois o filme é sucesso de público e crítica e já anunciaram que no mínimo vai virar trilogia, mas pode chegar a cinco filmes! Arghhhh!

[1] Correção: o mais poderoso é provavelmente Dumbledore, que está vivo nessa época. Ele e Grindenwald foram amigos.

 

 

 

 

 

2 comentários
  • VR5

    Boa noite. Gostas de filme de terror? Se sim, te recomendo: http://www.imdb.com/title/tt3235888/

    • Eu gosto dos temas, acho as estórias interessantes, mas não tenho “estômago” para assistir. Para você ter uma idéia, não terminei de assistir a Bastardos Inglórios por não agüentar a tensão crescente do filme. Imagine só me prender numa cadeira e me obrigar a assistir a Jogos Mortais ou O Chamado…


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Finalmente comecei a recolocar no ar os posts deletados do Google Buzz

Minhas tentativas de fazer automaticamente falharam por isso estou tendo que fazer manualmente, cada post e comentário. É um trabalho lento e maçante. E são mais de 1300 posts, por isso vai demorar meses ou anos. Mas estou colocando  os mais interessantes no inicio da fila.

Para não bagunçar eu estou publicando os posts com as datas originais de 2010 e 2011, por isso não vão aparecer aqui. Para vê-los consulte a categoria BUZZ.

As datas dos comentários estão erradas ainda.

17 comentários
  • Saulo Benigno

    Hmmm… onde estão os posts? Acho que podemos fazer algo automático por aí :)

    Tu tem eles salvo como?

    Em txt? A gente consegue colocar para dentro da base do WordPress, consegue até por datas, etc.

    Me conta mais onde tens os originais

  • Saulo Benigno

    Show. Dá para fazer :)
    Já fiz algo assim uns 8 anos atrás para outro site, funcionou 100%, podemos fazer de novo.

    Para começar, faz um favor, pega esses 2 “posts”:

    “#android #apps Logo após usar o APN Brasil eu ache.html”
    “#buzz Gostaria de saber a opini¦o das pessoas que .html”

    E passa ele para o seu blog atual, quero ver o que vais utilizar ou não, o que você exclui, etc. Deixa ele no formato final, online aqui, que vou copiar o “modelo” e importar direitinho para uma base atual do WordPress, depois de importado para a base a gente coloca no site atual. Dá para por data, etc

    Tem as datas, tudo certinho, com esse zip de amostra já dá para eu fazer o primeiro teste, muito bom :)

    1) Me diz os links finais desses dois posts para eu usar de exemplo
    2) Tu tais usando plugin algum backup automático atualmente?
    3) Qual a versão do WordPress que tais usando aqui?

    • Não é mais fácil eu passar os arquivos dos 20 posts que eu já importei? Não entendo como importar mais dois vá fazer diferença para você.

      1)Não sei o que você chama de links finais
      2)Estou. E fiz backup manual hoje.
      3)4.6.4

      • Saulo Benigno

        Com certeza, burro eu, nem pensei nisso, melhor. Eu analiso direitinho o que foi para onde.

        Vou baixar o WordPress 4.6.4 e analisar como são guardados os dados. Boa

        • Eu acho que é uma complicação desnecessária. Você pode fazer o processo em um blog de rascunho com qualquer versão moderna do wordpress e, quando estiver pronto, exportar o resultado no formato wordpress e importar neste blog, que fica tudo perfeito.

          Ou estou viajando?

          Eu posso te dar acesso a uma instalação de rascunho no meu servidor, se necessário.

          • Saulo Benigno

            Eu vou direto pelo banco de dados e depois ler no WordPress. Vou pesquisar certinho como é o formato, etc.

            Posso fazer localmente mesmo. E depois fazer como você disse exportar e importar no seu blog. Perfeito :)

  • Saulo Benigno

    Tais importando os comentários também? Eita, aí é mais complicado.

    Tais fazendo tudo manualmente né? Bronca viu. Posso ver se consigo, mas acho mais complicado. Só os postos já é alguma coisa né? Já ajuda? :)

    • Só o post não adianta nada. Na verdade só complica. E inserir o texto do post, com a data correta, é a parte mais fácil do processo manual. A mais complicada é inserir os comentários que não são meus.

      Foi justamente por causa dos comentários que desisti do processo automático. Se você não puder adicionar posts e comentários com facilidade, desista e me avise que eu voltarei ao processo manual.

      • Saulo Benigno

        Vou ter que estudar como são formatados os comentários, o que é “reply” de “quem”, que mensagem é resposta de qual. Pelo que vi nos que você já importou você fez isso certinho.

        Dá para fazermos. Tem que ver também como juntar os comentários com o post específico. Vou montar certinho isso.

        • Com isso de quem é reply de quem não precisa realmente se preocupar. Se você inserir todos os comentários na ordem em que ocorreram e com identificação de usuário e datas corretas, já resolve o meu problema. Não atrapalha a compreensão porque no Buzz a gente já começava o texto dizendo com quem estava falando. E eu sempre posso aninhar manualmente depois.

          No processo manual que estou fazendo eu observo pelo texto quem está respondendo a quem e aninhando os comentários manualmente, mas estou fazendo isso porque dá praticamente o mesmo trabalho, não porque seja essencial.

          E como os arquivos não tem emails dos comentários eu estou atribuindo a todos o email buzz@ryan… e o user_id 513. Mas isso pode ser alterado depois com um SQL UPDATE

          • … por isso você pode colocar o que quiser nesses campos.

          • Saulo Benigno

            Aí já fica mais fácil :)

            No codex do WordPress online tem todo o diagrama da base dados, dá para fazer. Deixa comigo.

            Então fechou. Vou fazer isso hoje a noite chegar em casa te aviso, muito legal.

  • Ryan ,
    Para facilitar , não tem como vc colocar um widget para escolher as categorias no sidebar direito ?

    • O widget não tem sentido, porque hoje só existe uma: BUZZ. O resto dos posts não tem categoria. A organização é feita via tags.
      Eu posso colocar um link, para facilitar.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

O fórum do IMDB já está fazendo falta

Em 20 de fevereiro o IMDB, que pertence à AMAZON faz tempo logo falta de dinheiro não deve ser o motivo, encerrou a atividade do fórum e aparentemente deletou mais de uma década de discussões sobre filmes. Para mim é o começo do fim do site, porque hoje eu preferia consultar a Wikipedia e só visitava a página do filme no IMDB pelas discussões, que são proibidas na enciclopédia. Então eu não tenho mais qualquer razão para visitar o IMDB.

Uma decisão vergonhosa. Deveria haver uma “lei” (não necessariamente de um governo) que impedisse administradores de fóruns de simplesmente deletar anos de discussão. Quer fechar o fórum por qualquer razão? pelo menos faça o upload do banco de dados com as mensagens para um servidor público. Assim pelo menos não se perde uma década de informação e qualquer empreendedor pode começar de onde você parou.

 

6 comentários

Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

O que salva Arrival (2016) é a surpresa.

Assim que eu ouvi o primeiro minuto do filme eu sabia que havia algo ali importante para compreendê-lo, mas o diretor conseguiu me entreter e manipular minha a atenção o bastante para que eu esquecesse completamente de tentar encaixar as peças e me surpreender no fim. Eu gostei disso. Mas não sobra muito mais do filme que isso.

O principal problema que vejo é que mesmo colocando o chapéu da suspensão de descrença para poder apreciar um filme que trata de “tempo”, o enredo ainda é difícil de engolir. Então uma avançada raça alienígena com percepção aparentemente ilimitada do passado e futuro (eles sabem o que vai ocorrer daqui a 3000 anos) e que aparentemente é capaz de se mover pelo tempo/espaço (a forma como as naves vão embora) não sabe como se comunicar com os terrestres? Não é porque usar o conhecimento do futuro seja proibido no presente, porque é exatamente isso que Louise faz. Isso era parte da estratégia para fazer a humanidade colaborar? Talvez, mas certamente existiam meios mais eficientes e sobretudo mais inteligentes de se fazer isso já se comunicando diretamente em inglês, chinês, português, árabe ou o que quer que seja. Afinal, a “colaboração” quase deu muito errado justamente por um problema de comunicação. E nada se ganhou com isso.

E por mais que você tenha um conhecimento privilegiado [1] a idéia de um estranho, por telefone, convencer um comandante militar a mudar de idéia sobre um assunto de segurança nacional em trinta segundos é risível. Se a conversa tivesse sido pelo menos por videoconferência e já tivesse sido estabelecido que o general ao menos conhecesse o background da doutora, removendo o problema do “total estranho que pode ser um inimigo tentando obter uma vantagem” essa parte seria mais verossímil.

[1] 13/03/2017 – Relendo o post percebo que isso ficou ambíguo e alguém pode interpretar que estou me referindo a mim (HA!). Estou me referindo ao conhecimento privilegiado (ver o próprio futuro) da doutora Banks, que para mim não é o suficiente para alcançar tal feito.

26 comentários
  • Snow_man

    Concordo plenamente; eu normalmente assisto pela diversão, sem prestar tanta atenção a detalhes, como todo bom cinéfilo faz, mas esse filme é daqueles que fica tudo meio sem pé nem cabeça.

    Tanto é que existem vários canais de filmes no youtube que fizeram um vídeo de crítica, e a maioria incluiu uma explicação do final, ou fez um segundo vídeo somente com a explicação.

    E eu pensei que já tinha visto muita doideira :dashhead1: em Interestelar rs.

  • Saulo Benigno

    Mas, o comandante militar, o general lá do final também tinha o “poder” ele podia ver o futuro/passado/presente ele sabia o que estava acontecendo. Estava já esperando ela.

    • Não, ele não tinha. Esse é o problema. Depois de mostrar o telefone a Louise o general diz: “Eu não digo que saiba como sua mente funciona, mas eu acredito que era importante para você ver aquilo”. Se ele tivesse o poder, ele saberia.

      Eu não sei o que dizem as legendas em português, mas no diálogo original não há qualquer dica de que alguém mais tenha o poder além de Louise.

      • Rubens

        O lider chines estava esperando a doutora sim, isso é explicitamente dito no filme… E mesmo sem entender muito bem porque, ele SABIAque tinha que passar para ela o numero do telefone dele e ditar o que ela deveria dizer para ele no passado para que ele interrompesse o ataque aos aliens.

        Mais uma coisa: voce disse que os aliens deveriam ter chegado aqui falando ingles e que por nao terem feito isso a “colaboração” quase deu muito errado justamente por um problema de comunicação. ERRADO! Como para eles o tempo é nao-linear, é obvio que os aliens ja sabiam que nao daria errado. Simples.

        Na verdade, eu considero o roteiro muito bem arrumadinho e tudo é muito bem explicadinho para quem presta atencao (e, claro, assume que o tempo pode ser nao-linear).

        • O lider chines estava esperando a doutora sim, isso é explicitamente dito no filme…

          E quem aqui disse que não estava?

          E mesmo sem entender muito bem porque, ele SABIAque tinha que passar para ela o numero do telefone dele e ditar o que ela deveria dizer para ele no passado para que ele interrompesse o ataque aos aliens.

          Nada diferente do que eu disse.

          Mais uma coisa: voce disse que os aliens deveriam ter chegado aqui falando ingles e que por nao terem feito isso a “colaboração” quase deu muito errado justamente por um problema de comunicação. ERRADO! Como para eles o tempo é nao-linear, é obvio que os aliens ja sabiam que nao daria errado. Simples.

          Isso “explica, mas não justifica”. Isso aí serve como desculpa para literalmente qualquer coisa! Até o ato mais estúpido, logo é um dispositivo de narração que deveria ser usado com extremo cuidado e do jeito que foi usado eu não aceito.

  • Rubens

    Toda a historia do filme Arrival é crucialmente baseada na premissa que os humanos TEM que aprender a linguagem dos aliens, para poder evoluir como raça. A linguagem é a chave de tudo, é o “gift” dos aliens para os humanos!

    POR ISSO eles forçam os humanos a aprender a linguagem, e de forma colaborativa (g*vernos distintos precisam trabalhar em conjunto). E é preciso concordar que essa forma de aprender a linguagem traz um resultado bem diferente do que seria chegar na Terra e anunciar: “voces tem que aprender a linguagem”.

    Alem disso, trata-e da linguagem universal que “todos” falam, os humanos na Terra é que sao diferentes.

    Na verdade entender o filme começa por compreender que a linguagem universal tem que ser aprendida. Como é explicado pelos personagens (a hipotese de Sapir-Whorf), a linguagem que voce fala afeta a forma como voce pensa, como voce raciocina, enfim afeta a forma como o seu cerebro funciona. Ao aprender uma nova linguagem, voce passa a pensar de forma diferente.

    O ponto do filme é esse: ao aprender a linguagem dos aliens, o cerebro dos humanos começa a funcionar de forma diferente e passa a perceber o tempo nao mais de uma forma linear. Entao essa linguagem é o “gift” (presente) que os aliens vieram trazer para a humanidade poder evoluir e vir a ajudar os proprios aliens no futuro.

    Ao aprender a linguagem, o cerebro da doutora Louise (que ja era mais evoluido) se liberta das amarras de so conseguir enxergar o tempo como algo linear… Aí ela consegue dizer hoje ao lider chines algo que foi ele mesmo quem disse a ela no futuro e talz, ou seja, acontecimentos encadeados de forma totalmente nao-linear… É isso!

    (por sinal, Ryan, prazer reencontrar vosso site, ha anos atras eu ate era registrado, para acompanhar os papos de software para os processadores Mediatek usados pela Pioneer e outros para, entre outras coisas, implementar a reproducao de midia digital (AVI, MPEG, etc.), controlar o uso de legendas e etc. Bons tempos.

    • Toda a historia do filme Arrival é crucialmente baseada na premissa que os humanos TEM que aprender a linguagem dos aliens, para poder evoluir como raça. A linguagem é a chave de tudo, é o “gift” dos aliens para os humanos!

      Correto e não disse nada que se oponha a isso.

      O ponto do filme é esse: ao aprender a linguagem dos aliens, o cerebro dos humanos começa a funcionar de forma diferente e passa a perceber o tempo nao mais de uma forma linear. Entao essa linguagem é o “gift” (presente) que os aliens vieram trazer para a humanidade poder evoluir e vir a ajudar os proprios aliens no futuro.

      Correto. Cientificamente absurdo mas correto e aceitável em uma obra de sci-fi.

    • (por sinal, Ryan, prazer reencontrar vosso site, ha anos atras eu ate era registrado, para acompanhar os papos de software para os processadores Mediatek usados pela Pioneer e outros para, entre outras coisas, implementar a reproducao de midia digital (AVI, MPEG, etc.), controlar o uso de legendas e etc. Bons tempos.

      Já faz tanto tempo que parece que foi em outra vida… :)

    • oops… cometi um erro de citação lá em cima que vou apagar. O correto é:

      Alem disso, trata-e da linguagem universal que “todos” falam, os humanos na Terra é que sao diferentes.

      Por favor cite a parte do filme que deixa isso claro.

      • Rubens

        Rubens:
        > Alem disso, trata-se da linguagem universal que
        > “todos” falam, os humanos na Terra é que sao
        > diferentes.

        Jefferson:
        > Por favor cite a parte do filme que deixa isso claro.

        Tem razao, no filme a unica parte que toca nisso é o titulo do livro da Dra. Louise (algo como “The Universal Language”).

        • Obrigado por esclarecer. Eu nem lambrava mais do título do livor. A única coisa que ficou fixa na minha mente é o que está escrito na segunda página: “Traduzindo Heptapod”

  • Rubens

    Mais uma coisa, o lider chines diz a Dra. Louise que ele nao sabe exatamente porque, mas ele “sente” que TEM QUE DAR o numero do celular pessoal dele para ela… POR ISSO ele precisava encontra-la naquela noite… A mente dele nao funcionava tao bem quanto a de Louise (provavelmente porque ela aprendeu muito mais a linguagem do que lideres do planeta), mas ele sabia que “algo” o impulsionava a fazer aquilo…

  • Vou tentar explicar meu problema com o filme de outra maneira.

    Este parece se basear em duas premissas mutuamente exclusivas

    a)Você não pode ou não deve usar informação do futuro não imediato para alterar o futuro imediato
    Exemplos:

    1)Os aliens sequer tentam se comunicar em uma língua terrestre. Um simples “vocês precisam aprender nossa linguagem”, repetido incessantemente, já me satisfaria.

    2)Os aliens não impedem a explosão, mesmo às custas da vida de um deles.

    b)Você pode e deve usar informação do futuro não imediato para alterar o futuro imediato
    Exemplos:

    1)Louise detém o ataque chinês com 30 segundos de conversa

    2)Basicamente, o resto do que Louise faz.

    • Correção: A conversa onde “um total estranho que pode ser um inimigo tentando obter vantagem” convence por telefone um comandante militar chinês a cancelar um ataque iminente leva exatos 55 segundos no filme.

      • Rubens

        Quanto à questao da Louise convencer o general chines “tao rapido”, isso nao é realmente um argumento. A gente nao fica sabendo exatamente o que ela conversou com o general, nem quanto tempo isso demorou… Durou 55 segundos no filme, mas voce nao sabe quanto tempo durou “na vida real” (dos personagens)… Em comparacao, os papos com os aliens demoraram meses, entretanto na tela se passam apenas alguns minutos tambem.

        Ela pode primeiro ter se apresentado a ele, dito que era a interprete americana com os aliens, explicado o que descobriu… tudo recheado com as exatas palavras que a esposa do general disse a ele ao morrer (palavras essas que o proprio general dita a Louise no futuro). E para a bela narrativa do filme, basta apenas a gente saber que o principal foram as palavras da esposa do general em seu leito de morte…

        Por ultimo, que nao se perca a perspectiva que algo a nivel MUITO pessoal impacta muito mais emocionalmente uma pessoa do que ate argumentos logicos… Falar sobre o momento da morte da esposa, pode muito bem ter impactado e dito muito mais ao general sobre o momento que a humanidade estava passando, fazendo-o parar para refletir melhor aquele momento, do que qualquer discussao estritamente militar sobre vida-e-morte, atacar ou nao atacar…

        Sao possibilidades reais, que talvez so quem ja passou pela perda de alguem que amava demais é capaz de entender com melhor clareza… Esse ponto do filme nao é logica, e sim de emocao.

        • Eu desisto de tentar argumentar com você. Sua percepção do que deve ou não fazer parte do script é muito diferente da minha.

    • Rubens

      Nao entendi de onde voce tirou essa premissa “a)”… Nao fica claro em nenhum momento do filme que “voce *NAO* pode/deve usar informacao do futuro nao imediato para alterar o futuro imediato”… Isso me parece ser por uma escolha dos aliens, e nao porque “nao pode”… Do mesmo modo que as autoridades/militares americanos nao querem atacar os aliens (nao porque “nao pode”, mas por uma escolha, ainda que baseada no medo do tamanho da retaliacao).

      [nota: antes que alguem argumente que os aliens foram atacados, no filme fica claro que se tratou da acao isolada de alguns soldados que estavam “assistindo televisao demais”, nao existiu uma ordem superior para que aquele explosivo fosse colocado na nave…]

      • Eu demonstro a validade da premissa com meus exemplos. Se a premissa é falsa, como você argumenta, e os aliens tem “free will” e assim podem escolher seu destino, as atitudes dos aliens não fazem sentido para a trama. Para as atitudes fazerem sentido para a trama, minha premissa precisa ser verdadeira.

        Na vida real você pode ter toda sorte de personagens agindo irracionalmente, mas em uma obra de ficção tudo tem que fazer sentido para a trama. Se o comportamento faz sentido do ponto de vista dos aliens, isso tem que ser explicado em algum lugar da trama. Dizer “isso foi uma escolha do personagem” sem que isso esteja na trama é “hand waving”.

        Imagine uma batalha entre humanos e aliens. No clímax, quando tudo parece perdido para os humanos, de repente os aliens se rendem. Aí os humanos comemoram mas ninguém explica porque os aliens se renderam e o filme termina sem essa explicação.

        Dá para dizer que do ponto de vista dos aliens a batalha estava perdida? Não, porque não foi explicado no filme.

        • Oops, minha última frase saiu incompleta. O correto é isto:

          Dá para dizer que não há nenhum problema com o filme porque do ponto de vista dos aliens a batalha estava perdida? Não, porque não foi explicado no filme.

        • Rubens

          Bom, neste caso filmes como 2001 (e isso apenas para ficar no terreno sci-fi) devem ser uma completa bleosta em sua opiniao, ja que em suas premissas, filme que nao é bem explicadinho e bem mastigadinho, inclusive nos detalhes que nem importam, assim como filmes que preferem deixar alguma coisa para o proprio espectador imaginar e depois discutir, nao prestam…

          Voce nao quer um filme para pensar, quer filmes que pensem por voce (e entreguem um resultado todo mastigado)… (bom, pelo menos voce afirmou que nao gosta quando o roteiro nao explica um detalhezinho).

          Nao vou dizer que eu gosto de finais totalmente abertos (o de Arrived nao é), nisso nós dois concordamos… Mas IMHO Arrived explicou ate demais, o diretor optou por mastigar mais do que o necessario para minimamente fazer o espectador entender o filme… Tá de bom tamanho.

          • Rubens, usar argumentos especulativos a respeito do filme já estava bastante ruim. Agora você está especulando a meu respeito

            Seus próximos comentários serão rejeitados.

            • Novamente engoli parte do texto. A primeira frase deveria ter saído assim:

              …usar argumentos especulativos para afirmar que estou errado a respeito do filme já estava bastante ruim.

  • Rubens, não perca seu tempo. Todos os seus comentários estão sendo deletados automaticamente pelo sistema e mesmo que você passe pelo filtro, deletarei o comentário sem lê-lo.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Problemas bizarros provocados por controlador de domínio ausente.

Eu fui chamado por causa de um problema incomum. O financeiro da empresa não conseguia fazer a chamada operação “retorno” do programa Cobrança Caixa (cobcaixa). Essa operação depende de um programa de terceiros chamado skyline e ao executar o programa a conexão com o servidor da skyline era estabelecida mas imediatamente em seguida dava algo como “conexão cancelada” (não lembro o termo exato). De abrir o programa até dar o erro e fechar automaticamente não se passavam nem 5 segundos.

Esse programa roda em uma máquina virtualbox Windows XP SP3, em um host Windows 8.1 x64, com interface de rede em modo bridge.

De cara eu achei que o problema fosse com a skyline, porque se eu tento acessar o domínio que aparece no arquivo INI do programa, skyline.com.br, não abre no browser.

Mas para não chamar o suporte da Caixa sem ter certeza (da última vez eles consertaram o problema deles e me criaram um maior) eu testei uma cópia do programa que estava instalada no servidor da empresa. E aí funcionou normalmente!

Mas no servidor, skyline.com.br também não abre no browser. Daí notei que eles provavelmente não tem servidor www lá e usar esse teste não adiantava.

Enquanto eu quebrava a cabeça com esse problema, outro funcionário me alertou que não conseguia imprimir na impressora compartilhada de VENDAS. Fui investigar e não notei razão para isso, mas percebi que estranhamente a máquina VENDAS não tinha feito o mapeamento para o diretório HOME do usuário logado. Em seguida eu notei que nas duas máquinas tentar acessar compartilhamentos que já deveriam estar acessíveis pedia credenciais (elas deveriam estar armazenadas) e na caixa de diálogo havia um aviso de que não tinha sido possível contactar o controlador de domínio e que eu tentasse mais tarde.

Curiosamente, a máquina do financeiro, que é o host da máquina virtual usada com o skyline, tinha o mesmo problema, que não haviam me reclamado ainda. Mas a máquina virtual tinha feito o mapeamento normalmente. Depois eu notei que o mapeamento da máquina virtual funcionara porque esta não faz login no domínio (este é um detalhe importante, como você verá a seguir).

E o servidor, que também era controlador do domínio, estava funcionando. E só uma parte dos funcionários estava experimentando problemas.

Como eu tenho como regra considerar que “coincidências não existem” e sem saber onde procurar o problema, aproveitei a hora do almoço para reiniciar o servidor. Eu esperava que isso resolvesse tudo exceto o primeiro problema. Para o meu espanto, isso resolveu todos os problemas. Eu ainda não faço idéia de como um controlador de domínio que não respondia podia afetar a conexão do programa skyline com seu próprio servidor na internet, em uma máquina que sequer faz login no domínio.


Clique aqui para comentar.

Ghost In The Shell (1995)

O maior problema desse filme é conseguir entendê-lo, E não é porque a trama seja especialmente complexa mas porque a menos que você entenda japonês vai ter dificuldade porque é difícil encontrar uma legendagem que faça perfeito sentido. Eu só fui capaz de apreciar realmente a estória quando eu finalmente alcancei proficiência suficiente em inglês para entender a versão dublada sem precisar de legendas. Até mesmo entre a dublagem em inglês e a legendagem em inglês existem grandes discrepâncias. Logo nos primeiros minutos Bartou comenta com Motoko que ultimamente tem notado muito ruído no cérebro dela. Na dublagem Motoko responde “deve ser um fio solto” e na legendagem “é aquela época do mês”, uma referência jocosa à menstruação, que o corpo ciborgue da Major não tem.

Contornando esse problema GitS é uma peça impressionante de animação, principalmente tendo em mente que tem mais de 20 anos. Nos dias atuais os “efeitos especiais” são claramente antiqüados mas o fato da Major aparecer quase o tempo todo nua no filme (é um corpo ciborgue, mas é uma lataria danada de sexy!) parece bem ousado tanto para 1995 quanto para 2017.

O que não ficou claro mesmo depois de assistir mais de uma vez :

  • De onde veio a voz que Bartou e Motoko ouvem no barco;
  • Qual o sentido da seqüência que vai dos 33 aos 36m45s do filme;
  • O que fez Togusa desconfiar dos visitantes;
  • Por que Motoko estava tão obcecada com o Puppet Master que, num ato completamente irracional, provocou danos extensos e incapacitantes ao próprio corpo?

Somente minha segunda questão foi respondida, ainda assim parcialmente, fazendo pesquisa. Dois corpos iguais ao de Motoko aparecem na sequência, reforçando a crise de identidade da Major. E a explicação para isso, tirada dos quadrinhos, é que o corpo da Major, embora militar, foi deliberadamente copiado de um modelo comercial, “popular”, para que não chamasse atenção.

 

 

4 comentários
  • Havokdan

    Melhor coisa de Ghost in the shell é a série de tv StandAlone Complex, tanto a primeira temporada e especialmente a sua segunda temporada, excepcionais, o vilão do filme live-action aparetemente será uma mescla dos “vilões”, principalmente do Kuze da segunda temporada do StandAlone Complex em em menor grau o do filme tema deste post.

  • VR5

    Não sei de onde você pegou a legendagem em português, mas tem MUITO site por aí com muitos fans de animes japoneses que traduzem/legendam bem. Eu sei porque já assisti a muito Yamato, Neon Genesis Evangelion, Macross, Gundam… ;)

    • Eu tenho uma aqui que, por exemplo, acerta no detalhe da TPM, mas aos 00:24:58 omite uma frase que bagunça completamente a interpretação do que é dito.

      QG:
      Nós identificamos o cara
      que a major capturou.

      Aramaki:
      Prossiga.

      QG:
      Tsuan Gen Fang. Idade: 28

      O correto seria a última frase começar com “Ele alega ser”. Isso é o que o áudio diz e essencial para o resto do diálogo fazer sentido. Isso sem contar com os erros de português e de digitação, como “Squadrão”, “Menssagem”, “Viloações”…

      Eu já reclamei sobre isso no Buzz. Há anos eu sequer tento assistir com legendas em português.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Ghost in the Shell estréia este mês nos cinemas

 

1 comentário

Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Gostei de Doctor Strange

A única coisa “estranha” em que reparei foi que o doutor, pré feiticeiro supremo, não foi nem de longe retratado como a criatura arrogante e detestável que eu modelei na minha mente da minha leitura de suas estórias nos quadrinhos. Teriam que pegar o Doutor House e acrescentar mais antipatia e egocentrismo. Porém eu entendo que isso não ia funcionar tão bem em um filme quanto nos quadrinhos. Seria preciso mais que duas horas para convencer a audiência de que um House qualquer havia se tornado um poderoso mas humilde defensor da humanidade, sem pegadinhas. Quanto ao resto, foi uma boa introdução do personagem.  Não achei um filme memorável, ainda, mas foi agradável assistir.

3 comentários
  • VR5

    Acho, digo, ACHO que eles devem ter “bebido na fonte” de, por exemplo, “Inception” na parte dos efeitos especiais (por sinal excelentes!). No mais, gostei do filme. Que venham as continuações! :)

  • José Carneiro

    Achei bom, só isso. Sim, os efeitos são muito bons.
    Quanto ao final, não creio que ele tenha ficado humilde, acho que ele agiu com inteligência para interpretar os ensinamentos. Pelo que foi mostrado no filme praticamente inteiro, o Strange é um sociopata (psicopata fraquinho), não teria como mudar a personalidade daquela forma. Talvez o próximo filme mostre isso.
    Um off: pra quem gosta de filme de guerra, Land of mine e Hacksaw Ridge são muito bons.

    • Você tem razão, o filme não chega realmente a mostrar a transformação de Strange, exceto pela cena em que ele pede a Nic que o ajude a operar a anciã. Eu estava pensando no personagem nos quadrinhos.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Não consegui assistir a mais que 40 minutos de Jack Reacher: Never Go Back.

Eu gostei do primeiro Jack Reacher, gosto de Tom Cruise, gosto de Cobie Smulders, mas ainda assim não deu. O filme é um desastre. Perdi a conta dos problemas mas vou tentar enumerar.

  • No primeiro filme, Jack Reacher é um ex investigador militar que após dar baixa cortou relações com o exército e com o mundo em geral. Vive uma vida frugal, sem endereço fixo, carro, telefone ou cartão de crédito e viaja só com a roupa do corpo. Se envolve, por motivos pessoais, numa situação muito complicada para ele e para terceiros, num caso de repercussão nacional, mas em nenhum momento pede qualquer ajuda militar. No segundo ele é caracterizado logo nos primeiros minutos como um braço do “Tio Sam” que periodicamente liga para seu oficial de ligação na base onde ele foi comandante. Destruíram o personagem;
  • Reacher nunca tinha visto a major antes mas só por causa das conversas ao telefone queria se encontrar com ela? Outra coisa que não se encaixa no personagem;
  • Essa onda de politicamente correto de Hollywood é terrível. Todo roteirista agora tem que acrescentar uma mulher “forte” na estória, mesmo que essa estória não convença de jeito nenhum. Uma coisa é o roteirista ter o cuidado de fazer o script passar com folga no Teste de Bechdel mas outra bem diferente é querer colocar uma Lara Croft em todo filme de ação. Não convence. Já é suficientemente difícil fazer o tampinha do Tom Cruise ser realista derrubando sozinho e desarmado meia dúzia de marmanjos;
  • A rapidez com que o advogado da major, Coronel Moorcroft, passa de “palerma” a “interessado” somente por ter ouvido um sermão de duas frases de Reacher foi espantosa. Ainda se ele tivesse durado, mas no segundo encontro ele volta rapidamente a se comportar como um palerma;
  • Como é que dois civis que sequer estão disfarçados como militares conseguem autorização para entrar em um presídio militar para fazer a transferência de uma major e ninguém, nem mesmo o subordinado da major que está levando os mercenários até ela, questiona isso? Bastava ele ter dito “estou seguindo ordens, Major” para dar maior credibilidade, mas o soldado teve que levar uma dose de taser “na caixa dos peitos” para deixar de ser estúpido;
  • A fuga do presídio militar em plena luz do dia ofende minha inteligência;
  • Não me interprete mal: eu gosto de ver mulheres atraentes se despindo nos filmes tanto quanto a média dos portadores de cromossomo Y, mas ainda assim achei a cena em que a major tira a camisa quando está sozinha com Reacher completamente gratuita e até absurda.

E esses foram só os primeiros 40 minutos. Ainda não consegui encarar os outros 70.

 

 

 


Clique aqui para comentar.

Adorei Passengers

Cuidado! Spoilers!

O filme é rico em detalhes que me mantiveram entretido, começando pela ciência, como o escudo de energia e a falta de gravidade no elevador. Depois veio o drama do primeiro “náufrago”, sua desorientação, seu comportamento ao descobrir sua situação, o pânico no pod que ele achou que tinha consertado e por um breve instante achou que poderia ser seu caixão, o conflito interno a respeito de acordar ou não Aurora[1]. A inteligência artificial do Barman bem ali no limite entre um ser humano de verdade e uma máquina… Eu tinha acabado de comentar com meu amigo José Carneiro como eu não tinha mais humor para drama e preferia ficção científica, mas estava ali me deleitando com a situação dramática do personagem.

O único defeito que posso apontar no momento é o fato de ser um tanto previsível. Ao apresentar Aurora para a audiência como o primeiro rosto humano em que Jim reparava[2] , ficou evidente que o personagem de Jennifer Lawrence não ia entrar em cena, falando e andando, por obra do acaso. Já havia sido estabelecido que “pods não dão defeito” e isso não iria acontecer de novo para acordar, dentre cinco mil pessoas, justamente a única que conhecíamos. Também ficou claro com antecedência (antes mesmo dela acordar, caramba) que ela iria descobrir, que provavelmente iria ser o barman a contar (meu segundo palpite era ela descobrir por logs que ele havia lido sobre ela numa data anterior a ela acordar) e até qual seria sua reação. Eu também sabia, quando Jim estava mandando uma mensagem para a Terra, que o computador iria dar a ele uma má notícia bem grande depois do envio[3]. E quando Jim foi ejetado com um pedaço de cabo ainda preso a sua veste, como seria o seu resgate.

Mas mesmo contando com as imperfeições, valeu cada minuto.

 

[1] Não consigo citar de cabeça nenhum outro filme onde a sinopse oficial é evidentemente mentirosa, mas que ao descobrir isto você concorda que foi melhor assim;

[2]Oops… não foi o primeiro. O primeiro foi o de um homem aos 20m38s em um pod que ele olhou por dois segundos sem motivo aparente para a trama;

[3] Aliás, é tão sem sentido que o serviço nem deveria existir, para começar. Mas eu entendo que a cena foi exibida para benefício da audiência.

18 comentários
  • Intruder_A6

    Eu também gostei muito e quando estiver disponível por torrent baixarei para assistir de novo.

    A parte mais implausível é estar olhando para um reator de fusão funcionando apenas com uma janela separando, e por mais reforçada que seja esta janela não atravessaria apenas luz por ela mas também muita radiação e nêutrons de alta energia. Mas eu gostei muito de Star Wars e ele viola muitas leis da física, e este filme foi até conservador a este respeito pois muitas coisas nele são até plausíveis.

    • Cara, eu achei a cena muito forçada, mas nem tinha visto o problema por esse ângulo. Será que se em vez de uma “simples” janela estivéssemos vendo o reator através de alguns metros de água seria seguro?

  • Intruder_A6

    Disponível uma copia decente é claro, já se acha para baixar mas eu sou exigente com respeito a qualidade do filme e o que já existe não me atende.

  • Outro detalhe interessante é no final Jim ter alcançado a redenção. O que ele fez com Aurora era imperdoável por qualquer ângulo que eu olhasse e eu não via saída para o personagem, mesmo descontando o desespero de sua situação. Porém, no fim seu gesto de egoísmo foi crucial para salvar a vida de todos os 5000 passageiros, incluindo Aurora. E ele estava pronto para dar sua vida por ela e pelos outros. Tenho certeza de que isso não passou despercebido por ela no final.

  • Intruder_A6

    Sim, realmente, ele se sacrificou pela nave, não morreu por muito pouco (uma tremenda forçação de barra de hollywood, dificilmente ele escaparia vivo de uma situação daquelas) e depois deu a opção de colocar ela em hibernação, quando descobriu que isto era possível, ela poderia ter resolvido o problema dela, mas no final seria também uma grande crueldade dela fazer isto (o que foi a redenção final dele). Mas pelo menos a nave era uma coisa incrível, parecia um transatlântico de luxo, mas sem as pessoas. E ele era uma pessoa muito versada tecnicamente, sem as habilidades dele e do tripulante que acordou a nave estaria perdida.

    Outra forçação de barra foi a nave passar por um choque contra um asteroide e continuar inteira, praticamente, o escudo teria que ser realmente muito bom, e o reator resistir a uma situação daquelas por mais 1 ano, e principalmente um desligamento do seu controlador sem explodir tudo na mesma hora, só em filme mesmo isto é possível.

    Mas se você questionar demais os furos na estória o filme acaba perdendo um pouco a graça. Eu assisti no cinema em 3D (gostaria de ter a opção de IMAX, mas infelizmente Salvador é muito atrasado) e ainda vou assistir uma segunda vez quando conseguir uma copia de qualidade. E torço para que um dia eu consiga uma de 4K no mesmo nível que Perdido em Marte ou o Regresso (dois filmes incríveis e com fotografia incrível).

    • A nave resistir a uma colisão não me incomoda realmente. O que não faz sentido para mim é, numa viagem de 120 anos, não existir qualquer previsão para se acordar um oficial da tripulação em caso de dano não corrigido, ou mesmo periodicamente. O que, claro, requer a existência de equipamento para colocar uma pessoa novamente em hibernação. Mas isso iria estragar toda a premissa.

      • Aliás, é justamente assim que começa Alien. A tripulação da Nostromo é acordada da hibernação pelo computador da nave quando um sinal de socorro é detectado.

  • Intruder_A6

    Pelo que eu conheço de automação e controle, um sistema realmente crítico tem redundância (com 1 ou mais backups, tudo depende da criticidade), para em caso de falha catastrófica ser possível a manutenção com ele a quente sem parar. Pelo que eu conheço (muito pouco) uma aeronave real tem sistemas em duplicata e às vezes em triplicata, e imagino como seja numa central nuclear, deve ser ainda mais robusto. Para uma nave espacial que deve operar totalmente sem manutenção por 120 anos a robustez deve ser enorme e com muitos sistemas com redundância (às vezes tripla ou até mais), e o controle de um reator é realmente algo muito crítico, o mais crítico de todos.

    São nestas coisas que o filme deixa vários furos, mas até Perdido em Marte tem furos, e foi realmente um filme muito bem feito, quase uma missão real a Marte. Imagino que quando assista Passageiros pela segunda vez devo encontrar ainda mais furos, mas eu provavelmente continuarei gostando muito, talvez até mais, pois o filme tem a sua beleza e eu realmente gosto de ficção cientifica.

  • Bom, o filme piorou (para mim) depois que o tripulante acordou. A primeira coisa que ele deveria ter feito era acordar o comandante da missão (seu oficial superior) que provavelmente acordaria o resto da tripulação para dar jeito nos problemas da nave. Os engenheiros da tripulação conheceriam muito mais a nave do que um passageiro. E Provavelmente a equipe médica daria um jeito de fazer o pessoal dormir depois da crise.

    Outra coisa, num momento falam que não tem pods de hibernação adicionais e nem peças pra consertar. Mas lá no reator o cara diz que tem peça de reposição pra tudo.

    • Para mim a premissa “não é possível voltar para a hibernação” é a fundação do filme, que desmorona se for falsa. Então eu julgo a partir dela. Tendo isso em mente, acordar qualquer pessoa é um ato pavoroso.

      Eu preferia que o tripulante não tivesse acordado, mas por outras razões. Além de ser mais um golpe no conceito de que “os pods não dão defeito”, aquela pulseira que dá acesso a qualquer um para dar override em qualquer regra da nave, mesmo nas interfaces que operam por comando de voz, não convence.

  • Como eu reescreveria parte do script para o filme ser mais verossímil para mim:

    1)A nave tem tecnologia para recolocar as pessoas em hibernação, mas foi irremediavelmente danificada no impacto. Pense naquele compartimento que tinha um buraco no casco como justamente a “medical bay 2” que continha todo o suporte para isso.

    2)Ao descobrir que a nave tinha erros irreparáveis ou cujo auto reparo (podemos ver robôs reparando a sala do reator) estava demorando demais, o computador da nave acordaria um oficial. O computador poderia não saber do dano à Medical Bay ou, sabendo dele, acordaria o oficial mais idoso.

    3)A mensagem para acordar o oficial não teria resposta do pod. O computador repetiria a mensagem que seria corrompida e enviada para o pod errado. Digamos que o pod correto seria o 5215 e Jim estivesse no 215. Assim, nenhum pod teria “dado defeito”.

    4)Enquanto isso o pod do oficial tinha recebido a mensagem, mas danificado pelo impacto (digamos que o compartimento dos oficiais estivesse no caminho do mesmo fragmento), não respondeu e só terminou o processo de acordar o oficial dois anos depois. Isso explicaria o estado de saúde do oficial.

    5)O oficial logo ao descobrir sobre sua morte iminente transferiria o poder dele por comando de voz para Kim e Aurora. Algo como: “Na minha autoridade, concedo meus privilégios de acesso a James, ID XXXXX e Aurora, ID YYYYY. Operação código ZZZZZ”

  • José Carneiro

    Jefferson, já percebi que você gosta de romance. Achei esse filme muito fraco, o roteiro é muito forçado, falha na capsula de dois caras que seriam capazes de resolver o problema…..
    Uma coisa que nunca ocorre…. Se a sinopse do filme fosse correta poderia ser poético, mas ainda ia ser forçado. Convenientemente o Morfeu acorda morrendo e consegue passar os ensinamentos suficientes para salvar todo mundo. Pra finalizar, o Pratt ainda leva uma descarga do reator e o traje espacial segura tudo….Isso sem contar com o problema do vidro já abordado.
    Não deu!!
    Nem tudo é ruim, os efeitos são bem legais.

    • Toda a seqüência de ventilação do reator é furada.

      1)A idéia de que a ventilação automática não funciona, mas o computador exibe uma alavanca no mesmo recinto para fazer ventilação manual é bem questionável
      2)Aurora precisa proteger a mão porque a alavanca está muito quente, mas consegue deitar no chão, encostar no painel, sobreviver na sala…

      Eu resolvi ignorar os problemas.

      Quanto ao vidro, bastaria os roteiristas terem colocado um “aquário” ali (uns 3 metros de água já estaria muito bom) para ser verossímil. Mas o “certo” mesmo seria eles nem estarem vendo a reação, entretanto não teria a mesma “graça” para o público inteiramente leigo.

    • Quanto ao romance, nesse filme ele é só uma ferramenta de potencialização do drama, assim como The Age Of Adaline. Quanto mais envolvida Aurora ficasse com James, maior a raiva, o nojo, o desespero que ela ia sentir ao descobrir. Por isso eu ressaltei a redenção de James. Até o momento em que ficou cristalino que se duas pessoas não estivessem acordadas, todos teriam morrido, tudo que James fez com relação a Aurora foi de abjeto a monstruoso. Daria até para atribuir o ato de acordá-la como insanidade temporária, mas em vez de tratá-la apenas como a muleta psicológica de que ele tanto precisava, seduzir e ir para a cama com sua vítima? Aí James passou dos limites.

  • José Carneiro

    Tem uma coisa bem problemática na estória, o pod de Jogos Vorazes não deu defeito, ela foi acordada, poderia receber todos os preparativos no pod médico para hibernar e ir ao pod original dela, o Pratt também poderia voltar a dormir, só que no pod médico, por isso o filme é, pra mim, um romance, sendo a ficção é coadjuvante. Eles poderiam voltar a hibernar com todos os problemas existentes no roteiro, já que ele tinha uma senha de administrador e era o CARA, não voltaram por pura vontade.
    Ignorando o fato anterior. O ato de acordar ela ser perdoado por salvarem a nave é outra coisa forçada, em 20 minutos ela esqueceu o que houve, simples assim. Tirando ainda todos os outros problemas com protocolo de segurança, ignorando tudo, se ele tivesse que acordar outra pessoa, seria perdoado, mas ele acordou por egoísmo.
    O roteiro é muito fraco, tem tanta coisa tosca que não dá vontade de discutir os problemas. Nem a química entre os atores foi forte no filme. A única coisa que achei realmente boa no filme foi a máquina do refeitório, eu quero uma daquelas.

    • Para sua teoria funcionar é necessário que:

      1)A tecnologia de hibernação da Homestead preveja que uma pessoa hibernando possa ser removida;
      2)O pod de Aurora estivesse em condições de reuso.

      E isso não pode ser seguramente estabelecido nem por senso comum (a tecnologia não existe em 2017), nem pelo exposto pelo filme.

      Mas é plausível. O filme poderia ter um final alternativo onde isso ocorresse.

    • Esqueci de comentar que talvez eu não esteja usando a palavra mais adequada mas “redenção” no sentido que estou usando, que é o de Shawshank Redemption, não requer o perdão da(s) vítima(s) (isso seria um problema danado). A redenção é o perdão dado por uma entidade superior, que para o cristianismo é Deus, mas no caso de um filme é a audiência.

      Para a trama o perdão de Aurora, verossímil ou não, é importante. Para a redenção de James é irrelevante.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Intolerância a lactose.

Todo os fãs da comédia The Big Bang Theory sabem do que se trata e foi graças ao Leonard explicando de forma muito engraçada por que ele não pode ingerir nada com leite que eu descobri que tenho essa condição.

Horas depois de tomar um copo de leite “eu fico insuportável” :)

E fico pensando em como eu pude passar anos tendo problemas com isso e incapaz de associar o único e desagradável sintoma que manifesto (o mesmo de Leonard) ao leite. Certamente muita gente tem o mesmo problema e acha que é algo normal e inevitável.

Graças a finalmente saber a causa eu agora posso me limitar a tomar leite no fim do dia, quando não planejo mais sair nem me envolver com outras pessoas. Assim eu posso ficar “insuportável” sozinho. :)

4 comentários
  • Alexandre Prestes

    Por que não tomar uma daquelas pílulas com lactase que agora existem no mercado? Melhor do que virar um “caminhão de gás” :D .

  • VR5

    Existe leite sem lactose: minha esposas tem intolerância e toma esse…

  • Como eu não sinto dores e meu único sintoma é mais motivo de embaraço que qualquer outra coisa, eu ainda não achei necessário ou interessante tomar qualquer outra medida a não ser escolher as ocasiões em que tomo leite.

    É importante frisar que algumas pessoas tem os sintomas ao ingerir um simples sorvete, como o Leonard. Eu ainda não consegui fazer essa associação. Eu fico insuportável quando bebo um copo de leite preparado por mim. Geralmente um copo de 350ml, com 50g de leite em pó. Não sei ainda o que doses menores ou maiores provocariam, mas agora fiquei curioso e vou testar.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Se ignorância (e vergonha) matasse…

  1. Por quase duas décadas eu fiz malabarismos para contornar um problema na instalação da bomba dagua da piscina. Se o nível da água caísse abaixo de um determinado nível a bomba não seria mais capaz de puxar a água por causa do ar na tubulação. Levou 20 anos para eu ter a curiosidade de procurar online o manual da bomba, por uma outra razão, e descobrir que a mesma é auto-escorvante e para lidar com a entrada de ar bastava abrir o pré-filtro, enchê-lo com água e esperar por até 2 minutos;
  2. No mês passado eu disse a um cliente que o identificador de chamadas no telefone que ele havia comprado para usar como ramal não ia funcionar porque a central telefônica, SIEMENS HIPATH 1150, não encaminhava essa informação para os ramais, já que a informação “morria” na telefonista. Errei miseravelmente em dois níveis. Primeiro, esse cliente tem Discagem Direta a Ramal (DDR) e caso você ligue de fora direto para o número que corresponde ao ramal, não passa pela telefonista e a informação do chamador é encaminhada. Segundo, eu era capaz de apostar que apenas o telefone digital afrescalhado especial da Siemens compatível com a HIPATH exibiria a informação, mas o telefone Intelbras nada especial (aparentemente) que eu acabara de instalar exibia até o número do ramal interno que estava chamando;
  3. Na mesma semana uma funcionária da mesma empresa me perguntou como digitalizar uma série de páginas e colocar no mesmo PDF usando a multifuncional HP na sua mesa. Eu disse que isso não era possível com uma multifuncional sem alimentador automático de documentos (ADF), com o software fornecido pela HP. Talvez fosse possível com um software de terceiros. Mas qual não foi minha surpresa ao descobrir em uma pesquisa que se você selecionar “PDF” como resultado no software da HP, quando o software pergunta se você já terminou de digitalizar, se você responder “não” ele vai justamente acrescentar as imagens seguintes ao mesmo PDF.

 

 

2 comentários
  • Jorge Faria

    Não esquenta…. Isso acontece com todo mundo… :D

  • Ricardo Menzer

    Pra informação, o software de digitalização da Epson TX115 tem uma função bastante semelhante.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Grandes investimentos: Aspirador de pó Electrolux Smart A20

electrolux_a20_smart_ryan.com.brEsse aspirador já se pagou muitas vezes desde que foi comprado há uma década. Eu não lembro exatamente quando foi comprado, mas o selo do IBAMA na lateral é datado de 2005 então eu presumo que está comigo há entre dez e doze anos. E continua funcionando perfeitamente.

Prós:

  • Funciona como uma verdadeira bomba d’agua auto-escorvante e móvel. É perfeita para eliminar pequenos alagamentos, remover a água de uma tubulação para fazer um reparo, remover a água suja no fundo da piscina que a bomba principal já não puxa mais, etc. No papel de bomba, esse aspirador torna trabalhos “impossíveis” possíveis e os muito cansativos e repetitivos, como no caso da piscina, rápidos e até fáceis. É importante notar que o aspirador fica lá no alto, fora da piscina, e pode puxar água a 1,80 de profundidade sem problema algum;
  • Acessórios compatíveis, incluindo os sacos de pó, ainda são vendidos inclusive pela rede autorizada (originais). No ML você encontra o kit com três sacos por R$19, mas na autorizada em Recife sai por R$29.

O que poderia melhorar (e às vezes já existe em modelos recentes)

  • O aparelho é potente até demais e um controle de potência seria bom, pelo menos para reduzir o barulho em algumas situações;
  • O aparelho tende a “engolir” os objetos mais inesperados. Pendrives, canetas e pilhas são sugados com impressionante facilidade e limpar uma oficina com ele acaba exigindo que você confira o conteúdo do saco de pó depois. Às vezes você nem sabe o que foi que o aparelho puxou (é realmente muito rápido) até esvaziar o saco de pó. Uma “rede” improvisada na ponta do aspirador pode livrar você de ter que fazer isso, mas deveria ser um acessório acompanhando o produto. Ele vem com um acessório que estreita a entrada e pode impedir os objetos maiores de serem engolidos, mas isso aumenta o esforço no motor e conseqüentemente o barulho;
  • Você não pode escolher a posição da saída de ar, que estando logo acima da conexão da mangueira de entrada tende a ficar soprando exatamente na direção que você trabalha. Isso é um problema quando você está fazendo um serviço de limpeza pesada que envolve muito pó de construção, por exemplo. Enquanto você limpa uma prateleira alta ele está se esforçando para levantar o pó que ainda existe mais embaixo;
  • Não pode ser usado como compressor. Bastaria para isso que a saída de ar tivesse o mesmo formato da entrada e você escolhesse onde engatar a mangueira. Alguns aspiradores com essa capacidade chamam de “função sopro”;
  • A qualidade dos sacos originais parece ter caído. Eu comprei um kit com três sacos na autorizada e após dois rasgarem no anel de encaixe em um dia (eu estava fazendo um serviço pesado) eu inspecionei o terceiro antes de instalar e notei que o anel de encaixe plástico estava mal colado no papel. Achei melhor reforçar a região ao redor do encaixe com uma boa quantidade de fita Silver Tape (“duct tape”) da 3M.

 

1 comentário
  • VR5

    Eu tenho um com uns anos a mais, mas da mesma marca e parecido, e até hoje funciona firme & forte!


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Ruminações diversas, 18/02/1017 (licenças Microsoft)

  • Quando vejo os cartões de licença do Windows 8.1 eu sou forçado a duvidar da seriedade da Microsoft. A fonte escolhida para as chaves de licença torna espantosamente difícil discernir os caracteres “B”, “8” e “3”;
  • O Office 2016 parece menos fresco que o Office 2013 na hora de fazer a ativação. Já tive que ligar pelo menos duas vezes para a MS para ativar uma licença do 2013 na mesma máquina que estava antes, mas isso ainda não ocorreu com o 2016;
  • Já com o Windows 8.1 Pro ocorreu o oposto: ontem eu ativei por engano em outra máquina uma licença que ainda estava em uso na máquina original. Hoje eu corrigi colocando a chave correta (ainda estava ativado com a chave errada) mas não sei ainda se isso criou um problema com a máquina cuja licença eu usei por engano;
  • No mês passado mais um programa da Nirsoft entrou para o meu kit de ferramentas: com o Produkey eu consigo obter até remotamente a chave de licença de instalações rodando e de instalações mortas, bastando ter acesso aos arquivos no HDD. Isso se mostrou importante para um cliente que precisava reinstalar o Windows, tinha a licença, mas não sabia qual das mais de 20 licenças adquiridas estava associada aquela maquina. Mas tenha o cuidado de executar o  programa como administrador.
1 comentário

Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Windows 7: Erro 0x000000F4 e reset da máquina ao abrir qualquer browser

Apenas a execução de navegadores causava o problema mas nenhum plugin estranho aparecia na lista de cada um deles. Esse normalmente seria um problema de arrancar os cabelos mas a solução foi rápida porque meu primeiro palpite estava correto. Ao notar que a máquina estava rodando o maldito GbPlugin (serviço gbpsrv) eu já tinha praticamente certeza de que era ele. E estava correto. Após dar boot por um CD e fazer uma limpeza rigorosa de todos os traços dele, o problema desapareceu. Mesmo após a cliente reinstalar a desgraça para poder acessar seu banco, o problema não voltou.


Clique aqui para comentar.

Erro ao se conectar a um controlador de domínio Windows 2003 via nome NETBIOS.

Cenário:

  • Servidor de arquivos e controlador de domínio Windows 2003 sem updates (sequer é SP1 – mas esse é um outro problema dessa empresa);
  • Clientes Windows 8.1 professional, com atualizações automáticas ligadas.

 

Resposta curta:

Certifique-se de que o controlador de domínio esteja na mesma sub-rede que a máquina cliente, tanto fisicamente quanto logicamente. Você que sabe como NETBIOS funciona pode estar pensando “dâaaa!”. Mas se ler o restante você, quem sabe, talvez reconheça que poderia não ter notado o que não notei.

Resposta longa:

Os problemas nessa rede começaram uma semana antes. Uma parte das máquinas (não todas) deixou de enxergar o servidor pelo nome e foi preciso fazer gambiarras em cada uma delas (incluindo colocar o mapeamento para o servidor no arquivo HOSTS de cada uma) para resolver o problema emergencialmente. Imediatamente pensei em um problema de resolução de nome NETBIOS mas todas as máquinas dessa empresa sempre estiveram na mesma sub-rede e nada parecia haver mudado para causar o problema. Pensei em uma atualização do Windows 8.1 que estivesse desabilitando NETBIOS (a MS já fez isso no passado) mas em uma das máquinas afetadas eu verifiquei não ter havido nenhuma atualização recente (não que tivesse aparecido nos logs). [1]

Ontem uma das máquinas teve um problema que exigiu a reinstalação completa do Windows 8.1 (ligaram a máquina configurada para 220V em 110V, que parecia funcionar mas os desligamentos  freqüentes bagunçaram o sistema de arquivos)  e na hora de fazer o “join” no servidor de domínio veio o erro. Aquele controlador de domínio não podia ser localizado pelo nome “curto” (o nome NETBIOS). Para fazer o join eu precisaria usar o FQDN (que é obtido geralmente acrescentando “.local” ao nome curto) e que depende inteiramente de resolução DNS. Eu já fizera gambiarras demais para contornar o problema e após uma pesquisa, não encontrando uma explicação lógica para o problema que eu pudesse testar com os usuários conectados, agendei uma parada do servidor para este sábado para localizar o problema.

Depois de meia hora lendo sobre a resolução de nomes NETBIOS, DNS, WINS e sobre problemas similares em foruns, me dei conta quase que por acaso de algo estranho na configuração do servidor: Estava configurado para o IP correto (10.0.0.21) mas a máscara de rede estava configurada para 255.0.0.0. Ora, esta é a máscara “normal” sugerida para uma rede IP nessa faixa e para todos os efeitos estava correta, por isso não notei o problema nas primeiras duas ou três vezes que vi essa configuração, mas não é esta a máscara normalmente configurada nos clientes e também não é a máscara oferecida pelo servidor DHCP da empresa, que é 255.255.255.0. Do ponto de vista físico as máquinas estavam na mesma sub-rede, mas do ponto de vista lógico não estavam.

Bastou configurar a placa de rede do servidor para usar a máscara 255.255.255.0 para resolver o problema. Alguém que achava que sabia o que estava fazendo mexeu nas configurações do servidor (todo mundo tem acesso) e causou todos esses problemas.

[1] Na ocasião uma parte das máquinas afetadas recusou as credenciais de administrador do domínio e eu tive que editar o arquivo HOSTS usando credenciais de administrador local. Uma das máquinas ainda “lembrou” a senha antiga de admin do domínio, mas provavelmente porque estava em cache. O conjunto de problemas que encontrei era bizarro, mas agora que sei a causa tudo faz sentido: na ocasião o domínio já estava inacessível e as máquinas só faziam login porque as credenciais estavam no cache e a aparente ausência do controlador de domínio estava sendo contornada automaticamente.

 


Clique aqui para comentar.

Continuo positivamente impressionado com o atendimento da GVT (VIVO fixo).

Minha cliente já vinha há algum tempo dizendo que não conseguia usar o telefone fixo. O telefone sem fio, um Intelbras TS40 ID, indicava o tempo todo “em uso” sem a linha estar em uso, e ninguém conseguia usar a linha.  No dia 31 de dezembro, não querendo ficar sem receber as tradicionais ligações de ano novo, ela me pediu que fosse lá descobrir o que estava havendo.

Cheguei por volta das 9 da manhã e rapidamente constatei que o problema era na linha. O problema era bizarro: a banda larga funcionava aparentemente normalmente mas a linha não dava qualquer sinal de vida. Não havia tom de discar ou qualquer tipo de tom. Pior que isso: plugar o cabo na linha não mudava absolutamente nada. Normalmente mesmo sem nenhum tom de linha você ainda houve algum ruído baixo permanente ou pelo menos um estalo ao plugar e desplugar o cabo. Mas essa linha parecia completamente morta, apesar da banda larga GVT estar funcionando. Testei com dois outros aparelhos convencionais que eu levara, além do telefone sem fio da cliente.

Liguei para o suporte da VIVO pelo celular VIVO da cliente e, assim como das outras vezes que entrei em contato com a GVT, tendo esclarecido que já tinha feito vários testes e que era um técnico não fui tratado como um idiota nem fui obrigado a seguir procedimentos de teste idiotas (muito comum quando você fala com a OI). A atendente “resetou” a linha duas vezes e me pediu para testar se algo tinha mudado. Como nada mudou decidiu agendar o atendimento. Minha primeira surpresa veio quando ela disse que o atendimento ocorreria no mesmo dia (sábado, 31 de dezembro) entre as 12 e as 18h.

A segunda surpresa veio quando a cliente me ligou às 10h30 e disse que o técnico da VIVO já estivera lá e consertado a linha.

E eu aqui sem conseguir me livrar da minha dependência da OI.

 

 

6 comentários
  • VR5

    E quem já tinha Oi, migrou para a GVT agora (ainda mais que a Vivo assumiu) está decepcionado também (pelo menos no RS)… :(

  • Daniel Plácido

    Aqui em Bsb o atendimento e serviço caiu de qualidade consideravelmente após ser adquirida pela Vivo.

    • Snow_man

      Mesma situação aqui, em Campina Grande-Paraíba.

      A Gvt recebia muitos elogios; já tive cliente [chata] que foi tão bem atendida, que
      pediu pra falar com um supervisor e agradecer.

      A fusão com a Vivo não foi legal até o momento.

  • Jorge Mendonça

    De fato o atendimento da VIVO em Recife está bem satisfatório. Linha empresarial estão com atendimento físico rápido, última vez que precisei foi no mesmo dia a visita. Linha residencial tive problemas e também foi solucionado de forma rápida.

  • Intruder_A6

    A GVT já foi melhor, muito melhor, atualmente ela se parece com a NET, em alguns casos é até pior, pois era razoavelmente comum eu conseguir baixar filmes do Torrent no limite da banda com a NET, mas com a GVT(VIVO) isto está longe de acontecer (com a NET a minha conexão era de 30Mb, com a GVT é de 50Mb, mas parece até menor que a da NET). Eu saí da NET porque cansei das instabilidades na conexão, mas não está muito diferente com a GVT.

    Eu já tive o desprazer de precisar do suporte da GVT no passado (2 anos atrás) e passei muita ruiva, pelo menos aqui em Salvador o suporte é horrível (foi por isso que saí da GVT para a NET), não sei como está o suporte hoje, mas duvido que esteja muito melhor (pode até ter piorado).

  • Intruder_A6

    A GVT continua me surpreendendo, NEGATIVAMENTE é claro, pois eu saí da NET porque achava o serviço deles era instável e de baixa qualidade e muitas vezes a conexão degradava bastante, mas com a GVT um link de 50Mb com muita sorte eu consigo 30Mb (sorte mesmo), pois às vezes não chega nem a 10Mb, uma coisa horrível.

    Agora por exemplo, estou penando tentando baixar uns filmes de um servidor de Torrente privado em que eu sempre baixava no meu limite da conexão e em vários momentos não estou conseguindo nem 1 Mb de velocidade no link, está até parecendo conexão discada. Acho que eles estão praticando um traffic shaping escancarado e sem vergonha (com o uTorrent penando para baixar a mais de 20 ou 30KBytes a minha internet estava até bem, o que para mim é um sintoma de traffic shaping).

    Eu nunca consegui atingir os 50Mb vendido e pago pelo link, e nem adianta fazer teste de velocidade que os testes dão 50Mb (até mais um pouco), e não é a linha pois o modem indica uma velocidade máxima quase sempre pouco acima de 100Mb. Estou bastante arrependido, e acho que vou me livrar da GVT em breve, pois pago por um link de 50Mb e não tenho nem um de 35Mb, o da NET de 30Mb era muito melhor (apesar de deixar bastante a desejar), pelo menos na maior parte do tempo eu recebia os 30Mb, na GVT eu nunca recebi (desde que contratei há uns poucos meses atrás) os 50Mb contratados.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

A Microsoft (Outlook.com) quer redefinir o que significa “anexar um arquivo”.

Ontem durante uma visita fui chamado pelo departamento financeiro da empresa porque os destinatários dos emails deles estavam reclamando que em vez de receber arquivos anexos nas mensagens eles estavam recebendo links. Eu reproduzi passo a passo o processo que a funcionária estava usando e não encontrei erro algum, mas o email de teste enviado para mim realmente tinha um link onde deveria haver um anexo. Isso não ficava evidente no próprio Outlook.com, mas no email recebido pela minha conta gmail isso ficava claro. A funcionária usou claramente a opção “anexar”, mas o email que recebi tinha um link para “1drv.ms” (o servidor do Onedrive).

Foi fácil encontrar a causa do problema nas opções do Outlook.com. Estava marcada uma opção que dizia que em vez de realmente anexar o arquivo este seria colocado no drive Onedrive do usuário e o destinatário receberia um link.

Eu não tenho nada contra essa opção existir. Acho até bem útil. O absurdo é a MS não ter dado outro nome para ela. “Anexar um arquivo” para mim tem e sempre vai ter o sentido do arquivo fazer parte do email.

E os destinatários estão certíssimos ao reclamar. Além do fato de clicar em um link estranhíssimo (como não uso o Onedrive, eu não fazia idéia do que significava “1drv.ms”), documentos anexos tem que ser documentos anexos. Então se o remetente apaga sua conta do onedrive todas as mensagens com “anexos” ficam incompletas na conta do destinatário?

Maldita “nuvem”.

 

 

 

1 comentário
  • Snow_man

    He is back! :)

    Bom saber disso; como aconteceu algumas vezes, encontro aqui os mesmos percalços que vejo em alguns chamados de clientes, e aqui já com solução, ou no mínimo, uma boa ponderação, e um espaço para discussão e troca de experiências.

    Vida longa ao blog (e ao Jefferson, claro). :yahoo:


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.