Testadores de cabos de rede SC8108 e Puneng PN-8108

NetworkCableTesters_PN-8108_SC8108_ryan.com.br

Além do básico que é checar se o cabo está crimpado corretamente este tipo de aparelho tem um recurso impressionante: ele mede o comprimento do cabo. Mais que isso: ele mede o comprimento de cada par do cabo. Assim é possível saber:

  • Se o cabo foi cortado e onde;
  • Se algum par foi danificado e onde;
  • Se o cabo é longo demais.

Alimentação

O aparelho tem um consumo de 16mA (de acordo com o manual) e é alimentado por quatro pilhas AA, o que eu hoje em dia acho muito inconveniente. Precisar de duas desse tipo é o meu limite. E o fato disso criar oito possíveis pontos de mau contato não ajuda, mas poderia ser pior: eu gosto ainda menos de baterias de 9V. Opera normalmente também com quatro baterias NiMh.

Resultado de meus testes:

  • 4.0V – Não liga.
  • 4.4V – Liga, mas texto mal é visível na tela
  • 4.6V – Texto mais visível
  • 4.8V – Texto já parece completamente visível

Qualquer dia desses eu vou acabar colocando um jack USB no aparelho para ter a opção de alimentá-lo usando o mesmo “power bank” que uso para carregar meu celular.


A eletrônica

O aparelho é muito difícil de abrir quando você não sabe como. Eu provoquei pequenos danos externos e internos ao meu PN-8108 tentando forçar a abertura até descobrir que ele é fechado por parafusos ocultos em orifícios selados por cilindros de plástico, que parecem “pezinhos” que por não saírem de jeito nenhum você acredita que sejam parte da carcaça do fundo. O único modo aparente de desbloquear o caminho até os parafusos é perfurar esses cilindros.

A foto abaixo é do interior do Puneng PN-8108. O SC8108, de outro fabricante, opera da mesma forma (eu tenho ambos) e por isso eu suponho que seja quase idêntico por dentro.

Network_Cable_Tester_Puneng_PN-8108_DSC02242_3_700_ryan.com.br

 

O display é alfanumérico de 16 colunas e 4 linhas e a disposição dos pinos me faz crer que seja compatível com o padrão hitachi HD44780. Porém ainda assim seria um tanto difícil conseguir substituto exato para o display porque o formato não é tão comum. O que você encontra às pencas no mercado por causa do Arduino são displays 20×4 e 16×2, mas não 16×4. O display tem backlight que você opera por um botão.

Toda a inteligência está no enorme microcontrolador de 40 pinos Atmel AT89S52 (opera de 4V a 5.5V). Se este der defeito o aparelho provavelmente vai para a sucata, porque aí está o programa e embora seja possível comprar um “virgem” por R$10 no Mercado Livre, não faço idéia de como implementar o algoritmo que mede o comprimento dos cabos, mesmo que eu levantasse todo o diagrama. Os outros componentes relevantes estão no fundo e são todos circuitos integrados lógicos comuns fáceis de adquirir:

  • HCF4051 (3x) – multiplexador/demultiplexador analógico de 8 canais – opera com no mínimo 3V;
  • HCF4052 – multiplexador/demultiplexador analógico de 4 canais duplo – opera com no mínimo 3V;
  • 74HC00 (2x) – quatro portas NAND de duas entradas – opera com no mínimo 2V;
  • 74HC373 (2x) – Latch transparente tipo-d tri-state com 8 portas – opera com no mínimo 2V;
  • 74HC4040 –  contador ripple binário de 12 estágios – opera com no mínimo 2V.

A necessidade do microcontrolador acaba definindo até onde as baterias podem descarregar antes do aparelho deixar de funcionar. Note que o microcontrolador deve operar com até 5.5V mas quatro pilhas AA novas podem dar até 1.6×4 = 6.4V. Para evitar dano, a tensão de alimentação de todos os circuitos integrados é regulada pelo conjunto de diodo e transistor Q1 e D2.

Diagrama parcial

Clique na imagem para ver em tamanho real e legível

puneng_pn-8018_schematic_partial

Detalhe do circuito de alimentação:

puneng_pn-8018_schematic_partial_power

Os dois diodos, marcados D3, ligados a R18 são o mesmo componente. Possivelmente um MMBD4148SE.

Ao apertar o botão Power, Q3 conduz o que faz Q4 conduzir e manter Q3 conduzindo através de R12. O aparelho é desligado pela atuação de Q5, que pelo que entendi ocorre em duas situações:

  • Após um intervalo de 30 minutos ligado, o microcontrolador manda um sinal de desligamento via C11;
  • Ao apertarmos de novo o botão Power o microcontrolador sente isso no pino 7 (através de R19) e comanda o desligamento também via C11

Ou seja: o desligamento sempre depende do microcontrolador.

A tensão +B é um pouco menor que VBAT por causa da queda em Q4 e a tensão em +C é regulada em torno de 4.1V (a tensão do zener D2 menos a queda de tensão na junção base-emissor de Q1)

O meu PN-8108 não ligava mais e após levantar o esquema levei apenas alguns minutos para descobrir que era Q3 que estava com defeito. Após a substituição por um transistor NPN de uso geral 2N3904 o problema foi resolvido.

Network_Cable_Tester_Puneng_PN-8108_DSC02268_detail_Q3fix.ryan.com.br

Terminadores

Para medição de comprimento não é necessário haver nada na outra extremidade do cabo. Para outros testes o aparelho requer que um terminador especial chamado de “wiremap adapter” seja colocado na outra ponta. Para abrir o terminador basta remover o parafuso que está oculto sob a etiqueta e desencaixar.

Você pode ter até 8 terminadores que o aparelho é capaz de distinguir entre eles e dizer que cabo você está testando. Eu não consegui adquirir os outros sete por um preço razoável mas adiante eu explico o necessário para fabricá-los. Isso só faz falta realmente quando você está sozinho identificando um grande número de cabos.

A eletrônica do terminador é simples:

Network_Cable_Tester_Puneng_PN-8108_Wiremap_Adapter_DSC02267_700_ryan.com.br

Network_Cable_Tester_Puneng_PN-8108_Wiremap_Adapter_DSC02265_700_ryan.com.br

Diagrama

puneng_pn-8018_wiremap_adapter_schematic

A placa tem dois componentes que não aparecem no diagrama: D105 e D106 (provavelmente um zener), porque eles são conectados apenas às ilhas de solda no fundo e mais nada. Dependendo das ligações que você faz com essas ilhas de solda você muda o ID do terminador, conforme imagem abaixo:

Network_Cable_Tester_Puneng_PN-8108_WiremapAdapter_DSC02265_solderpads

A lógica é a seguinte:

São sempre três jumpers de solda, mas os dois primeiros (sempre 2,3 ou 1,4) apenas definem a polaridade da série com os dois diodos. Ligando 2 e 3 é uma polaridade e ligando 1 e 4 a polaridade inverte, mas uma ponta é sempre ligada ao pino 1 do conector RJ45. O último jumper define se a outra ponta da série vai ficar ligada aos terminais 3, 4, 5 ou 6 do conector RJ45.

Você não precisa fazer as ligações referentes a ID1. Nenhum jumper dá o mesmo resultado.

A informação necessária pra deduzir isso foi obtida nos comentários deste blog russo, que por sua vez foi dica do leitor João Batista nos comentários deste post.

Nesta outra versão do esquema eu tento deixar o papel dos dois diodos mais fácil de entender:

puneng_pn-8018_wiremap_adapter_schematic_2

O BIP

O terminador emite um bip periódico quando o testador é plugado na outra extremidade que é útil quando você está trabalhando em dupla mas pode deixar outras pessoas desconcertadas sem saber de onde o som vem. Geralmente você pluga o terminador primeiro porque ele não tem qualquer indicação visual e se encaminha para a outra ponta do cabo com o testador. Quando você chega lá minutos depois e o pluga no cabo o terminador começa a emitir o bip. O intervalo entre bips não é curto o bastante para ser irritante, mas é longo o bastante para dificultar muito a localização de sua origem. Já ocorreu uma vez de eu mesmo voltar ao recinto e por um minuto ficar imaginando de onde vinha o bip. Eu conheço um celular que faz a mesma coisa quando a bateria está com carga baixa e é de deixar você maluco.

15 comentários
  • João Batista

    Eu acho que você ( ou o equipamento ) pode identificar os outros terminadores via os dois diodos extras , você não reparou nos pontos de soldas que são no total em um 3 um deles em comum com o pino 1 do RJ45 e mais 7 ( eu contei certo ) e um que fica no meio que o comum e os outros ficam em volta que são 6 pinos ,e o eu acho posso esta errado não sei ! ?

    • João Batista

      Assim eu achei algumas informações neste site russo http://mysku.ru/blog/aliexpress/19616.html na parte dos comentários tem uma pessoa que fez clones dos terminadores

      • Obrigado pelo link! Numa rápida olhada eu já descobri que os valores dos capacitores são diferentes para cada par!

        Eu não tenho os valores certos porque medi no circuito, mas ainda assim fica clara a diferença porque o valor medido cresce na ordem dos pares:

        C101: 29nF
        C102: 61nF
        C103: 97nF

    • Eu testei isso mais de um ano atrás quando abri pela primeira vez o terminador. Não surtiu efeito algum e como não vi nenhuma referência a isso nas minhas pesquisas, mas vi referências à identificação pelo valor dos resistores, desisti de ir por esse caminho.

      Os dois diodos estão em série e as ilhas de solda estão arranjadas de tal maneira que você possa ligar essa série entre o terminal 1 e o terminais 3, 5 e 6, nas duas polaridades possíveis.

      Isso aparentemente só permite mais seis combinações. Eu tenho curiosidade de saber o papel dos diodos, mas pode ser uma grande perda de tempo, porque sua utilidade pode depender de algo no firmware do testador.

      • Caramba, a segunda figura da imagem abaixo sugere que é possível, sim, mudar o ID do terminador através de um cuidadoso arranjo dos diodos. Vou tentar entender como é feito, já que se trata de um adaptador diferente, e replicar no meu para ver no que dá.

        • Decifrei o propósito das sequências de jumpers indicada na figura acima. São sempre três jumpers de solda, mas os dois primeiros (sempre 2,4 ou 1,3) apenas definem a polaridade da série com os dois diodos. Ligando 2 e 4 é uma polaridade e ligando 1 e 3 a polaridade inverte, mas uma ponta é sempre ligada ao pino 1 do conector via resistor de 2k2. O último jumper define se a outra ponta da série vai ficar ligada aos terminais 3, 4, 5 ou 6 do conector RJ45.

          De posse dessa informação eu já consegui transformar o meu terminador ID1 em ID7. Entretanto o meu adaptador não tem resistor em série com os diodos e pode ser que eu precise acrescentar um.

          Novamente obrigado pela dica, João. Essa página nunca apareceu nas minhas buscas.

  • Newton

    Se for para chutar eu diria que o aparelho mede a capacitância do cabo para definir o comprimento.

    • E você provavelmente tem razão. Eu não tinha pensado nisso mas faz sentido. A capacitância do cabo CAT5 é especificada a 52pF/m a 800Hz. É um valor baixo mas dá resolução mais que suficiente. Mesmo um rolo de 305m não vai dar uma capacitância maior que 16nF. Medir com precisão de 52pF até 16nF não é mesmo nenhum mistério.

      Se for assim, então não seria tão complicado, de posse do diagrama completo, fazer seu próprio firmware para o aparelho.

    • Outra forma de fazer é através da reflexão de um sinal do tipo impulso [https://en.wikipedia.org/wiki/Signal_reflection], embora, pela simplicidade do circuito, eu não acredite que seja o caso aqui.

      • Pois eu estava achando que era Signal Reflection até Newton comentar e a ficha cair. Não parece fazer sentido usar Signal Reflection para isso quando a capacitância do meio é fixa e conhecida e medi-la dá o mesmo resultado prático.

  • João Batista

    Eu espero que tenha ajudado um pouco , mais os créditos vai para o site russo ok

  • Eu subestimei a disponibilidade do display. No Mercado Livre existem vários para vender. por preços a partir de R$35.

  • Intruder_A6

    Muito interessante este testador, fiquei curioso e talvez interessado em arranjar um para mim.

  • Se o chip tiver sido gravado sem o bit lock, tem como extrair o programa da memoria utillizando um gravador SPI


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

Recuperação de firmware no D-LINK DSL-2730R via porta serial

DSL-2730R_320_ryan.com.br

Todos os procedimentos a seguir foram testados no Windows 8.1 64 bits. E deve funcionar com qualquer outra versão.

Se seu roteador não está “morto” você não precisa seguir esse procedimento. É mais fácil fazer a instalação do firmware via setup do roteador.

Você precisa:

  • De uma conexão serial TTL com o roteador, além da conexão de rede. Você precisará de habilidade básica de soldagem pois a porta serial não vem com conector.
  • De um software terminal serial como o Tera Term, PuTTY ou o SSCOM – Testado com o Tera Term. Essencialmente o que você precisa é de um software serial que envie caracteres imediatamente para o dispositivo à medida que você os digita;
  • Do arquivo de firmware. Você pode usar qualquer um dos disponíveis no site da D-LINK.

Descrição resumida do processo

O DSL-2730e tem um bootloader que (geralmente) ainda fica ativo quando o firmware está corrompido. Este bootloader é provido de um servidor web minimalista com um formulário de upload de firmware, que você pode ativar com alguns comandos via porta serial.

O processo

Você deve estar conectado ao modem via porta serial e via rede ao mesmo tempo.

A porta serial está no conector J1 da placa. O pinout é o seguinte:

DSL-2730r_DSC01899_700_portaserial_ryan.com.br

Como habitual você não precisa, nem deve, conectar o +3.3V. Mas os outros três precisam ser usados.

Parâmetros: 115200, 8N1

Abra a porta serial e ligue o modem. Você deverá ver algo assim:

 

Nesse ponto você tem 3 segundos para digitar qualquer coisa no teclado para entrar no prompt de comando. Quando fizer isso aparecerá algo assim:

bldr>

Digamos que você queira que o modem assuma o endereço IP 10.0.0.121. Dê os dois comandos seguintes, destacados em negrito:

bldr> ipaddr 10.0.0.121
Change IP address to 10.0.0.121
bldr> httpd
PBUF_POOL_BUFSIZE = 256
tcp_bind()
Local Port = 0
tcp_bind: bind to port 80
bldr>

A partir desse momento se você acessar o endereço indicado com um browser, verá uma página bem simples de upload de firmware, chamada de “TC Rescue Page”.

dsl2730r_bootloader_UploadFirmware_ryan.com.br

 

Escolha o firmware clicando em Browse… e  envie clicando em Upload.

O arquivo de firmware aparentemente precisa ser renomeado para “tclinux.bin” para ser aceito. Tentei outros nomes e deu “Wrong File Name” ao clicar em Upload.

Estando o firmware correto, a resposta pela serial será algo assim:

OBS.`: Note as mensagens logo no início do processo:

Real crc code: C02A20DC
Check data success, prepare to upload

Aparentemente o modem verifica se o firmware está corrompido antes de gravar.

Quando o processo finalmente parar, provavelmente com a mensagem Firmware is uploaded successfully! basta desligar e ligar novamente o modem que deverá estar tudo normal.

IP default: 192.168.1.1

Credenciais padrão do firmware GVT: admin/gvt12345

Credenciais padrão do firmware “Outras Operadoras”: admin/<nada>

Se você utilizar o firmware “outras operadoras” no primeiro acesso o modem apresentará um assistente de instalação que não te deixará configurar nada enquanto o modem não estiver conectado a uma linha ADSL. Use o assistente para definir uma nova senha e depois cancele. Você pode acessar a interface normal em seguida pelo endereço: http://192.168.1.1/cgi-bin/index.asp

Notas:

  • Não deixe de definir uma nova senha quando o assistente te der essa oportunidade. A instalação do firmware não reseta a senha e poderá ficar valendo a anterior. Por exemplo, após instalar um firmware “outras operadoras” por cima de um firmware GVT, a senha poderá ser a senha GVT;
  • Se você se atrapalhar e não conseguir mais acertar a senha nem entrar no assistente, execute o processo de recuperação de novo que o assistente voltará; Talvez reiniciar ou resetar também surta o mesmo efeito mas não testei ainda;
  • É normal o modem não dar nenhuma resposta via browser (nem mesmo um “ok”) quando você fizer o upload do firmware. O progresso é exibido apenas pela porta serial até a instalação do novo firmware estar concluída;
  • Se ao clicar em upload não houver imediatamente resposta na porta serial, você pode ter demorado muito para iniciar o processo e o servidor web foi desativado. Comece o processo de novo.

Relacionados

2 comentários
  • Isael Sousa

    Muito bom seu post a partir de hoje seu site está na minha lista de leitura. Recentemente meu modem deu um problema pois pressionei o botão de reset e logo em seguida desliguei o mesmo dai agora quando ligo ele fica travado apenas com o led de Internet, DSL e Power ligados, agora vou tentar recuperar ele com esse seu post, espero que de certo.

  • Isael Sousa

    Vlw pela dica consegui recuperar meu modem com esse tutorial, detalhe use um Arduíno em vez da placa serial ttl.


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.

blu-ray player Samsung BD-C5500: não liga.

Sintoma: ao plugar na tomada o LED frontal acende e ao apertar o botão POWER o aparelho dá a impressão que vai ligar mas apaga completamente em seguida.

O problema é na fonte. No meu caso, capacitor estufado:

Samsung_BD-C5500_PowerSupply_CapacitorEstufado_comentado_DSC00955_ryan.com.br

Com a troca do capacitor por um equivalente, o problema foi resolvido.

Tenho outro post com mais fotos internas do BD-C5500.

7 comentários
  • Saulo Benigno

    Eita coincidência… aproveitando o post. Um amigo meu tem um BluRay da Philips modelo BDP3100X/78, fui inventar de atualizar a firmware…. o mesmo fica horas na parte ‘carregando’ com a barra de loading na tela sem se mexer. Sim, horas.

    Fui inventar de desligar e ligar.. pronto, já era. Desliguei e não liga mais, deixou de funcionar graças a firmware. Não aparece nada, ele realmente não liga, led, nada. Achei muito estranho. Sei nem o que fazer. Idéias?

    Pesquisando na internet achei foi uma reclamação no ReclameAqui sobre o mesmo caso, a mesma coisa, o rapaz ate entrou em contato com a Philips e deu em nada, sem solução.

    Acho que foi perdido mesmo :(

    • Saulo Benigno

      Jefferson, foi perdido mesmo. Vou ter que comprar outro.

      Levei na assistência e eles disseram que esse modelo nem existe mais no mercado, a Philips não faz mais peça para ele. Bem, vai para o lixo.

      Tem interesse? :) Só passar e pegar, melhor que ir para o lixo, talvez as peças sirvam para alguma coisa.

  • Estes eletrolítico sem revestimento solido sempre estufar em todos tipo de hardware principalmente em fontes, placa-mãe e etc…

  • Wesley

    Ola!

    Peço por gentileza sua ajuda, possuo o mesmo modelo de Blu-Ray Player e estou com o mesmo problema, já identifiquei o capacitador estufado (existia uma sujeira em cima dele algo parecendo ferrugem), porém não sei o que fazer, é possível retirar esse capacitador e trocar por outro?

    Eu moro próximo a Sta Efigenia (Rua de eletrônicos em SP), to pensando em dar um pulo la e ver se acho esse capacitador para venda, se caso consiga comprar consigo instalar facilmente? Pois vi que o encaixe é bem difícil de soltar…

    Desde ja agradeço!

    • Não existe encaixe. Se você não sabe trocar um capacitor minha primeira recomendação é entregar o serviço para um amigo que saiba. A segunda é procurar tutoriais de como se troca um capacitor. Você precisará aprender a usar um ferro de solda antes.

  • Maurício

    Bom dia!
    Obrigado pelo relato: aconteceu a mesma coisa com o meu aparelho. O mesmo capacitor estufou…
    Pergunta: você tem a especificação correta dele, e onde consigo comprar um equivalente? Moro em uma cidade no interior de São Paulo, onde é difícil achar componentes eletrônicos. Outro dia mesmo precisei comprar resistires diversos (75, 90 Ohms) e foi um parto para comprar (apenas em Campinas). Poderia me passar a especificação deste capacitor, e um site onde consigo comprar para trocá-lo? Obrigado!!!

  • Marino Junior

    Cara, quero te agradecer muito, estava com o mesmo problema e quando abri o aparelho o referido capacitor realmente estava estufado. Troquei ele (1500 micro / 6.3V) por um de 2200 micro / 10V e o blu-ray voltou a funcionar normalmente. Valeu!


Clique aqui para comentar.
OBS: Os links "Responder" não aparecem nesta página, mas aparecerão na próxima.Por favor use-os se estiver respondendo a um comentário.